7 de abril de 2010

Do silêncio

Andava assim, em silêncio profundo. Cada vez com uma certeza maior de que um dia não terá mais volta. Terá mergulhado em vasto segredo, em profunda quietude. Não te assustes, é um silêncio bonito. Uma serenidade pura, um sossego valioso. O mundo anda acabando, dizem. Usa então o tempo para realizar. Diminuiu o tamanho dos sonhos. Hoje eles têm um tamanho possível. Falam, é muito conformada. Incomodam-se, anda muito contente. É que existe uma vontade, um delírio. É que a cada proximidade do fim apressa-se a viver os detalhes. É que sempre são detalhes. Aqueles risos gostosos, que deveriam ser protegidos de tão preciosos. As juras tão belas quanto impossíveis. A esperança de que a vida poesia traga doçura no fim. E quiçá, aquele sonho um dia se realize. Além disso, promete não demorar mais. E também nunca mais fazer promessas.

29 comentários:

Débora disse...

Lindo!
e eu fiquei por demais encantada com a doçura nas palavras e a firme certeza em cada uma delas.
quase fez brotar uma lagrimazinha.
você escreveu pros meus últimos dias sem saber moça.

=**

Roberta Fauth disse...

E aí veio o fim, doce ou amargo, mas com a possibilidade vasta de um recomeço (igualmente vasto!
Estava eu aqui também, a sentir saudades de ti!
Beijos!
=D

Grã disse...

Tão real, Maria, é teu silêncio que emudeceu-me também, fiquei pensando em finais possiveis - e impossiveis - em sonhos contíveis, em mundos acabando-se aos poucos, em voltas... há volta, Maria? Desanda-se um caminho percorrido?
Não vi a beleza que viu, bateu-me um vazio no estômago como se eu tivesse que devorar algo feroz e urgentemente, mas eu não tenho à mão nada para devorar, nem doce e nem poesia, só minhas promessas Maria - devorarei-as pois.

Um saudoso beijo, naquele teu beijo!

.

aaluah disse...

meu deus.... Escreveste o que sinto e não consigo dizer...

e lindo, ficou lindo. sereno. acho bárbaro gente que consegue escrever assim: brando e sereno, calmo e singelo...


Beijos!

Desnuda disse...

Maria,

que felicidade poder ler , sentir e reconhecer cada parágrafo deste texto grandioso e simples de significados tão necessários. Obrigada.


Carinhoso beijo, querida.

Lucão disse...

Lindo!
Todo cheio de otimismo. Quem não gosta?
Texto bom que parece que nos acaricia enquanto lemos.
Deu pra ver que adorei, né?
hehe
beijos, Maria.


*E obrigado por sua "graça" no blog.
:P

Márcio Vandré disse...

Eu tenho cá um saco de sorrisos. Penso bem em que momento vou usá-lo! :)
Um belo texto, Maria!
Bom vê-la de volta!
Beijo!

Marguerita disse...

A vida nos faz acreditar em promessas e assim, chegamos onde julgávamos impossível.

Bjooo

:) disse...

Algum momento você me ouve, portanto vou dizer: junte teus traços, teus passos, teus rascunhos e FAÇA UM LIVRO!
Participei de uma antologia outro dia, o lançamento foi dia 27/03. Chama Elas Escrevem e você devia ter participado...aliás seria um prazer imenso e uma honra dividir páginas com você!
Como sempre, é doce passar por aqui, não e canso de ler e de vez em quando venho pra ver se postou algo e eu ainda não vi!
Noite boa a você!
Bjim
Keila

Erica Ferro disse...

Às vezes é preciso silenciar; talvez para descansar ou para melhor organizar as falas, as ideias...

Beijo, Maria.

Qualquer Um disse...

Cara Maria-Silenciosa,

Texto sobre o imperativo do silêncio das coisas vãs diante do grito surdo do que importa.
um ab

Edu

PS- Caio achou o "barato" do produto que ele adquiriu tímido. Prefere Fernando Pessoa na veia. Muito + radical :-)

Branca disse...

Serenidade, tranquilidade, paz, brotam das palavras trazendo otimismo, esperança...possibilidades.
Seus textos realmente 'acariciam', como disseram acima.

Excelente dia pra vc!

Por que você faz poema? disse...

Alguém me disse que os sonhos têm o tamanho que a gente sonha e não fazer promessas talvez seja a promessa mais dificil de ser cumprida.

Natiii disse...

Seguindooo pq aqui encontrei oq procurava, sonhosss
beijos

R.L. disse...

Promessas...
Que poder eu cumprir elas todas
Ou então, calar-me.

bjs

Grã disse...

Obrigado!
Não há nada mais completo do que teu beijo!

Sandra Leite disse...

Ai,

Que lindo o silêncio que você fotografou, Maria! Viu as cores? São absurdas todas as nuances... Era um silêncio que acalentava, não era medo. Nada se fez tão presente quando o vento por lá apareceu. Foi ele que levou o beijo, você viu? Agora tudo é leve, tudo é saudade. Tudo me leva diariamente ao silêncio que acalenta e cuida, sem promessas :)


beijos, saudade daqui...

Priscila Rôde disse...

O silencio já promete tantas coisas...

Lindo Maria. Maravilhoso, como sempre!

Liv. disse...

Transmite-me uma paaaaaaaz... :)

Em busca de mim disse...

Teu texto me trouxe paz... mas também persistência e luta. Poucas conseguem dizer coisas tão opostas num mesmo momento. Lindo!
Abraços

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Passando pra agradecer a visita e me desculpar que só adicionei e li sem comentar... eu diria, de primeiras impressões, que a suavidade, a candura e o enigma fizeram pouso em tuas letras, menina Maria... e que é belo... :D

Beijão!

Stella Rodrigues disse...

Vim ler teu blog, bateu uma inveja boa, escreve tão bem, e tudo que escreve é tçao bem recebido por quem lê *-* um dia ainda vou ser que nem você (:

coracaoamorfo disse...

tão cheio de pausas de paz.

um beijo.

Hosana Lemos disse...

'É que a cada proximidade do fim apressa-se a viver os detalhes. '

sempre é assim...

[adoro passar por aqui...]

Clara disse...

Esse texto parece que foi escrito pra mim ler no espelho.....lindo!!
beijo grande !

Samelly Xavier disse...

prometo desprometer.

a doçura não tá no fim das promessas, mas no sabor da esperança do vir a ser.

beijos recitados, querida

Sandra Leite disse...

Eu [não] sei porque, mas adoro retornar a esse texto :)

Auíri Au disse...

As vezes o silêncio diz muitas coisas que nem mesmo horas e horas de conversa poderiam traduzir.
Adorei
Beijo

amulhernua disse...

e que os bons tempos comecem...

[abraços que beijam]