12 de julho de 2009

Proteção

Queria poder continuar a vê-lo, mas sem precisar tão violentamente dele.


Ela, ao se sentir protegida por ele, passara a ter receio de perder a proteção - embora ela mesma não soubesse ao certo que idéia fazia de "ser protegida": teria, por acaso, o desejo infantil de ter tudo, mas sem a ansiedade de dever dar algo em troca? Proteção seria presença?


Era como se ele quisesse que ela aprendesse a andar com as próprias pernas e só então, preparada para a liberdade (...) ela fosse dele.


Clarice Lispector in Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres

19 comentários:

Sedokao Morutaru disse...

Que singelo.. Muito tmepo não passo por aqui.

.moony. disse...

...é que é tão boa essa sensação de segurança que certas pessoas podem nos proporcionar só por estarem por perto :D

:*

teh +

o/*

Sidney Andrade disse...

Lembrou-me:

"O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio."
Alberto Caeiro

Beijo.

j.qualquercoisa disse...

"Era como se elA quisesse que elE aprendesse a andar com as próprias pernas e só então, preparada para a liberdade (...) elE fosse delA" ?

SAUDADE INFINITA...

fernando disse...

Não coneço este livro da Clarica, mas no último domingo assisti ao programa "Tudo o que é sólido pode derreter", o qual tratava desta obra, com o reforço deste post, sem dúvida vou procurar um exemplar pra ler.

Leandro Fonseca disse...

não sabe como sou apaixonado pela Clarice...!

Michele Hubner disse...

eu sou tão dependente desse amor..

Eu queria te pedir uma ajuda, lá no meu blog na coluna a direita tem uma enquete, eu gostaria que vc votasse, pode ser?!
No final das votações eu conto pra que..tá?!
Se vc puder falar pros seus amigos bloqueiros irem lá votar também..
Desde já, obrigada!

aaaah, a prova que eu fiz ontem, acho que não vai ser desta vez que eu passarei.. :[

Anônimo disse...

Olá..q lindo texto, q sensibilidade não é mesmo?
Estou na tentativa d fazer meu blog..achei o seu na net, amei..se puder me ajudar..um abraço!!!
Meu email:kpereirak@hotmail.com

Andréa Cavalieri disse...

E nos tornamos de nós mesmos quando somos livres
...
Mas é que as vezes, sermos de nós mesmos também dói demais.

Adoro tudo aqui!!!
beijos,Maria

Aninha disse...

mto linda a citação!

bjinhos*/~

guilhermina, (ataulfo) e convidados disse...

Nunca tinha pensado sobre a proteção assim, como uma "simples" e imensa presença... vou andar por esta estrada te agradecendo tê-la inaugurado. Bj Guilhermina

Qualquer Um disse...

Cara Maria,

Que texto de Clarice! Delicado e duro. "Necessidade Violenta e doce".
Um ab
Edu

Bella disse...

/adorei esse livro, Clarice é ótimo!

Amora disse...

Adorei!

"Queria poder continuar a vê-lo, mas sem precisar tão violentamente dele."

Que lindo.

Lá Cociuffo disse...

É o meu livro preferido dela, mas não era o livro que ela mais gostava...

Mudei de endereço, mas continuo no mesmo lugar

Bjo

Fernanda disse...

Como eu nunca li esse, de Clarice. É tão eu, a alguns dias atrás. Belíssimo!

Grande beijo.

aaluah disse...

adorei imensamente esse trecho de clarice!

Desnuda disse...

Não conhecia este texto, Maria! Amei...Compreendi perfeitamente.....Lindo!


Grande beijo, querida.

Diii disse...

ameiameiamei e ameiiiiiiii. lindoooooo trecho de Clarice!

Bjim e saudades!