17 de abril de 2009

Adeus

Que procuras? Tudo. Que desejas? Nada.
Viajo sozinha com o meu coração.
Não ando perdida, mas desencontrada.
Levo o meu rumo na minha mão.

(Cecília Meireles)

Fazia longas cartas a ninguém. Fazia cartas que rompiam o silêncio de um coração que era calado à força. Depois de escritas era como se tivesse dito tudo a quem não receberia a carta, e nada mais importava. Era obrigada a retribuir o egoísmo e estar satisfeita só em estar bem, a despeito dos outros. Escreveu uma longa e última carta, e mais uma vez despediu-me sozinha do que viveu sozinha. Jogou ao ar o que foi ilusão, o que foi engano. Recolheu seu coração, que estava entregue, e mais uma vez olhou para os lados. Solidão. Agarrar-se a que? A quem? Pela primeira vez - por resolução ou falta de opção - abriu os braços e deixou o vento a levar. Levar seu corpo, sua alma, seu amor. Fez da falta de porto um passeio ao voar por entre mundos. Fez da solidão seu recreio, e de longe se despediu de quem já virou as costas a tempos e nem mais verá o aceno. Adeus, adeus, sussurrou. Quem sabe um dia ele olhe para trás e perceba que há muito ela partiu. Talvez nem isso. Adeus, adeus.

9 comentários:

Erica Maria disse...

Ah, mais uma vez vc passou meu coração para o papel, lindo!

Como tudo q escreves...

Bjos em tua alma!

Susanna disse...

Lindo e triste. Só.

Beijos!

(Você tem orkut, Maria? Se sim, me adiciona lá! "Susanna Lima".)

.: Juliana :. disse...

Depois de ler seu belo texto, meu coração ficou mais alegre.

Um ótimo final de semana Maria.

.beijo meu

fernando disse...

A primeira frase frase faz referência a letra da canção "Inverno", da Adriana Calcanhoto.
Dizer adeus à alguém que nunca esteve lá, alvez seja a sina de quem idealiza um amor perfeito.

Luana Gabriela disse...

"e mais uma vez despediu-me sozinha do que viveu sozinha."

Maria, é isso que tenho feito constantemente no meu espaço... esperando quem sabe um adeus também, mas nem isso...
Lindo texto...

Bjos!!

The Scientist disse...

"Quem bater primeira dobra do mar
dá de lá bandeira qualquer,
aponta pra fé e rema..."
realmente, a desilusão é algo doloroso. mas quem pode saber o que o outro sentia?
às vezes fica subtendido, outras não.

Desnuda disse...

Cecília e a sua sensibilidade extraordinária. Suas palavras candeiam nossa alma e você também, Maria...Tenha certeza disso.. Não conhecia este texto...Emocionei-me....


Beijos

Jânio Dias disse...

"Moça, olha só o que eu te escrevi
É preciso força pra sonhar e perceber
Que a estrada vai além do que se vê
"

Los Hermanos, em Além do Que se Vê

Neotenia disse...

"Que procuras?"

Já leste "Alice no País das Maravilhas!"


Abraços....