23 de fevereiro de 2009

Baile de máscaras

Qual a sua máscara deste carnaval? Resolveu sair, beber e dançar para mostrar que está bem? Resolveu ficar em casa, e louvou esta escolha, mesmo sabendo que foi imposição e não escolha? Ligou a televisão dizendo que não tinha o que fazer para disfarçar a sede do fútil? Desligou a televisão para manter o intelectualismo, mas não suporta sua própria e única companhia? Então no tempo em que vale tudo, pensar, refletir e mudar também vale? Ou não? Vamos deixar para a virada de ano que é o tempo certo, não é? Mais ou menos assim: natal é tempo de sermos falsos generosos, ano-novo é tempo de mudar, semana santa vamos brincar de religião e carnaval... Bom, se é carnaval, vamos ser inconsequentes! Seria isso? Assim, eu imagino que aqueles bailes em que a diversão maior era estar colorido e pular ao som de marchinhas tinha seu valor. Era como brincar, de verdade. E brincar é bom. Hoje a máscara é colocada ao mesmo tempo em que a vergonha roupa é tirada. Se você gosta deste novo formato de carnaval, eu respeito. Não seria mal respeitar a mim, que não gosto. Então, abre alas, que eu quero passar: o superficial não me atrai, eu gosto de intimidade. Todo mundo não importa, eu prefiro cada um. Inconsequência não! Gosto de erro/ou acerto consciente. Eu escolho o que fazer e a culpa é minha. Ora! Vou sair na avenida no dia que o coração for mais importante que o silicone em cima dele. No dia em que a alegria for genuína e nenhuma vida estiver em risco para isso. Que cada um aproveite com a máscara que escolher. Eu preferi tirar a minha. Para mim, a folia é mais gostosa assim.

22 comentários:

Sedokao Morutaru disse...

vixi Maria.

Abreeeeeee abre ALAS que a Maria vai passar.

Branca disse...

Tem Selo Personalizado lá no Sentimentos dedicado a todos os amigos, sinta-se a vontade pra pegar ou não...bjos!

http://www.priemforma.com disse...

Olá! Estou passando para convidar a conhecer meu blog e avisar que tem sorteio de maquiagem por lá essa semana!Conto com a tua participação:
http://priemforma.com/?p=547

Princesa disse...

O ideal seria todos nós tirarmos as máscaras não só no carnaval mas todos os dias.

Um bejo e diverte-te sendo tu mesma.

Kenia disse...

e agora maria?

' Rôh disse...

Muito boa reflexão

"Todo mundo não importa, eu prefiro cada um."


Abraços, Roh

guilhermina, (ataulfo) e convidados disse...

Oi Maria,

Adorei esse bate-papo, essa intimidade, esse deixar-se ver, em plena folia... Adorei seu comentário lá na esquina.
Bj
Guilhermina
www.esquinadodesacato.blogspot.com

Karla disse...

Ótimo!
"o superficial não me atrai, eu gosto de intimidade. Todo mundo não importa, eu prefiro cada um. Inconsequência não! Gosto de erro/ou acerto consciente. Eu escolho o que fazer e a culpa é minha."
Bjos!

Mário Sioli disse...

Um texto muito bom e que traduz o meu pensamento e de tanto outros, você mandou muito bem dessa vez e para mim essa parte do seu texto traduz tudo:

"No dia em que a alegria for genuína e nenhuma vida estiver em risco para isso. Que cada um aproveite com a máscara que escolher. Eu preferi tirar a minha. Para mim, a folia é mais gostosa assim."

Felicidades pra ti.
Seu texto foi o que mais me impressionou nesse mês.
Obrigado por isso!!!
Beijos

Catiane Cantero disse...

Olá amada, muito obrigada pelo seu comentário em meu blog, eu fiquei impactada com a beleza e as palavras de seu blog. Parabéns, pode ter certeza que eu também acompanharei seu lindo blog. Beijos e fica com Deus.

catianecantero.blogspot.com

Paulo disse...

Olá Maria,

Escolheu bem suas palavras, sua máscara ornamenta apropriadamente a melodia alegre das brincadeiras do carnaval!

Confetes e serpentinas

Luana Gabriela disse...

Maria..

Todo Carnaval tem seu fim ...

também não vejo graça nas gracinhas da tv.. . passei longe dela neste feriado...

Abraços!!

Inspirações disse...

Obrigado por sua presença. Gosto uito de vê-la lá no blog. Conte sempre com minha amizade...

Preciso de um favor:

Divulgar o sorteio que farei no dia 28/02, de 10 livros "Sinais de Esperança", para concorrer bats ser uma seguidora e amiga do blog.

Conto com sua ajuda e apoio...

Um mega abraço...

Lolyta Brechó disse...

Olá..venha visitar meu brechó
:D

me linka? te linko tbm.
beijus

Désir La Vie disse...

Bem, já deixei minha impressão lá no Barata, e você também já passou por lá e a viu...

Não faço mais parte disso, não consigo!
Velhice? Será, tenho só 30 anos!
Acho que consegui ver o óbvio mesmo, e isso não me atrai, não me agrada...

Bjossssssss pra Maria

fernando disse...

Concordo com o que você escreveu, não para ser cortês, mas porque temos uma opnião bem semelhante sobre o tema.

Kenia disse...

oI! qUANDO ALGUÉM PEDE EU VENDO! MAS FAÇO POR HOBBY! ADOREI TEU BLOG! BEIJOS MARIA!
E AGORA MARA?

Catiane Cantero disse...

Muito obrigada novamente pelas suas lindas palavras, fui muito abençoada. Deus te abençoe muito.
Catiane Cantero, sua mais nova amiga.

The scientist disse...

hehehe... parece que vejo um julgamento? rsrs...
sem dúvida nenhuma o carnaval perdeu muito do sentido que tinha antes...,
mas sabe-se lá porque existem alguns teimosos que insistem em brincar quando todos querem ser incosequentes...

"Gosto de erro/ou acerto consciente. Eu escolho o que fazer e a culpa é minha."

espero que a maioria das pessoas não façam escolhas inconsequentes!! (recorda-se de alguma coisa parecida... hehehe).

e mais um detalhe: você não usa máscara Maria! por isso fascina...

Amora disse...

Sincero, forte e delicado ao mesmo tempo. Gostei da combinação.

Beijos

Desnuda disse...

Nunca li tamanha verdade e sinceridade acerca do carnaval, Maria! O carnaval hoje em dia é um carnaval com finalidades pessoais e egoístas, e por isso tantas máscaras "invisíveis" encobrem as pessoas. Perdeu aquele bucolismo, aquele sentido de outrora- a fantasia, o calor humano, a festa da grande confraternização pública, o sonho e a alegria. E todos vestem a fantasia da mídia. Mas não me incomodo, apenas lembro de carnavais mais alegres e acolhedores. Não a mídia. O calor humano comandava. Mas ainda consigo " buscar" este resgate para onde costumo ir. E costumo extravasar não para mostrar que estou bem. Mas para ficar. Este foi um ano assim, pois estava chocada com um fato acontecido de pessoa próxima - uma linda jovem- que afinal veio a falecer. Soube depois... Mas eu estava no aconchego do marido, filhas, família, amigos que me deram sustentação para buscar alegria. Foi muito bom.

Beijos, querida!

serena samy disse...

Adorei seu texto...!Como é bom sair e botar o bloco na ruuuaaa!!!rsrs...!E melhor,Sem máscaras...vestida apenas com a transparência do ser humano errante...na sua total essência...