20 de janeiro de 2009

O campo tão sem flores

Minha Mãezinha, olho-te e procuro recordar quais eram antes os meus problemas. Lamentava-me pelo quê? Porque havia lágrimas se havia tanta saúde e força? Que vergonha, Mãezinha, dos meus pedidos egoístas a Deus, dos problemas inexistentes, dos dramas criados. Que saudade de tua força, de teu cuidado, de nossa paz. Como naquele dia, em meio às lágrimas, a minha promessa é a mesma: ser-te-ei leal, estarei contigo durante toda a nossa vida. Seja ela de que tamanho for. Meu peito quer força para gritar a todos que acordem, que deixem de coisas vãs, que olhem para o lado e reconheçam a dádiva do que nem merecem. O diagnóstico não foi aquele, Mãezinha, não aquele frígido. O diagnóstico foi que, a partir deste resultado, teríamos o mesmo amor de verdade, mas agora daríamos valor à isso. Se te chamo Mãezinha desde sempre não foi por pequeneza. És muito grande. És Mãezinha pelo carinho, por ainda cantares as mesmas musiquinhas de quando nasci, e quando repreendida ('vai estragar esta menina'), repetir a mesma resposta ('amor não estraga'). Ah não, amor não danifica, amor dignifica. E se hoje enfrento a dor com o coração forte não é mero acaso, é fruto do que plantaste. Sou fruto do teu forte amor.

Para onde fores, Mãezinha, para onde fores
Irei também, trilhando as mesmas ruas...
Tu, para amenizar as dores tuas
Eu, para amenizar as minhas dores
Soneto ao Pai, por Augusto dos Anjos
Soneto à minha Mãezinha, por Maria

11 comentários:

Alice disse...

Um dia de cada vez...e a cada dia, o "mesmo amor de verdade"...

Nossa "mãezinha".

meus instantes e momentos disse...

belissimo post. Parabens
Maurizio

Mário Sioli disse...

"Que saudade de tua força, de teu cuidado, de NOSSA PAZ."

Tem pessoas que se encontram na nossa vida que é bem mais do que mãe, pai, amiga, confidente é um presente que Deus manda e é impossível que ela passe pela nossa vida sem fazer essa junção, de sermos ela e ela a gente e, isso se chama amor. Como você disse e concordo: Amor não estraga, o que nos enferruja é ausência dele e, assim onde quer que esteja e como esteja esse presentinho de Deus será sempre uma presença viva em você, pois o dias passam, mas o amor é sempre presente.
Adorei seu texto.
Beijos

PS: Não conta pra ninguém, mas o comentário que você fez no meu blog foi o melhor que já vi até agora, obrigado Maria.

SAM disse...

Que lindo, Maria...Sou extremamente maternal...Fico emocionada.... Muito feliz de poder ler esta beleza de texto onde sinto amor, ternura, gratidão, zêlo...Enfim, todos os infinitos vínculos entre mãe e filha. Obrigada querida por esta belíssima partilha. De parabéns ambas, que gostaria imensamente de abraçar....Mas o faço por pensamento. E feliz!


*Tem no Sam um selo só dedicado as mulheres : o blog de ouro. E você para mim é muito especial, porque seu coração reluz mais que ouro.

Carinhoso beijo Marias!

Ruberto Palazo disse...

Amor dignifica, e amor como o de mãe nao existe mesmo, é unico....

Lindo seu texto...

Beijoooo!

Qualquer Um disse...

Cara MAria,

Texto sobre mãe é difícil escrever e não se repetir. talvez pq digam que mãe "é tudo igual"(sic) :-)
Vc conseguiu. Belo texto. terno, quase infantil. Bem ao caso.
um ab
Edu

fernando disse...

Um texto passional, com cárater híbrido (poesia e prosa), utilizando função emotiva da linguagem, obtém êxito pleno.
www.neuroticoautonomo.zip.net

j.qualquercoisa disse...

Tantas significações para tantas emoções...
Todo amor do mundo! ele é tua força, continua agarrada a ele, pois ele amparar-te-á...

Afago neste teu coração exausto de amor.

The Scientist disse...

"E se hoje enfrento a dor com o coração forte não é mero acaso, é fruto do que plantaste. Sou fruto do teu forte amor."
sim, maria tu és forte!
despeje a força que vc tem e inunde a tua mãe com todo o amor que ela lhe deu.
abraços

Anônimo disse...

Simplesmente um ESCÂNDALO de lindo!

Anônimo disse...

O ANÔNIMO sou eu: PRETINHA! A Gi te manda bjos