6 de janeiro de 2009

Ele.Ela

Ele estava sozinho. Ela também. Ele envolveu-se de verdade com algumas, de mentira com outras, divertiu-se, deixou-se divertir, e sempre havia graça nisso. Ela gostou de verdade de outros, mas entendeu não ser o certo ainda. A cada novo encontro ele tinha certeza que a tal da vez era a mulher de sua vida. Não hesitava, se jogava e dava tudo de si. Depois acabava por nenhum motivo que pudesse pôr fim ao amor exageradamente grande que ele acreditara existir, mas ele não sofria. Ela não se iludia, nem os iludia. Beijava sem dor, nem promessas. Mas ainda não confiava em nenhum deles. Ele olhava ao redor, às lamúrias sem fim de outros homens e perguntava-se se de fato já havia amado alguém. Ela não questionava, pois já parecia estar sentindo o que seria o amor. Mas ele era sincero, não havia enganado nenhuma delas. Talvez enganasse a si mesmo. Mas não, não era engano. Talvez ao contrário do que imaginasse, amor acabasse. Estranho porque só via isso acontecer nele, mas tudo bem, melhor não questionar. Com ela, era diferente. Sempre ficava a certeza de que tudo tinha sido especial entre ela e outros. Havia tanta leveza nisso. No fundo, percebia-se que ele sentia vontade de viver o que observava outros vivendo. Mas não tinha pressa. Ou talvez não tivesse voracidade, mas pressa sim. Pressa por tocar no que tantos pareciam ter tocado, e ele não. Pressa por também, nem que por um dia somente, não imaginar a vida sem aquela pessoa. Achava isso tão patético, mas queria pelo menos entender. Aquela possibilidade parecia tão distante que ele imaginava que a tal da paixão não ficara para ele. Parecia não haver quem pudesse causar isso, quem pudesse tomá-lo tanto de e para si. Para ela a possibilidade do amor era tangível, embora, sentimentalmente, tão distante. Talvez para ela tivesse ficado mesmo o amor sem sofrimentos como não acontece com quem se apaixona perdidamente. Ela já aceitava isso e regozijava-se com quem não estava aqui, mas certamente viria. Ele não, ele queria mais. Tinha medo de aceitar a verdade do amor tranqüilo e perder uma possível paixão que cruzasse com ele na esquina. Os dois queriam a mesma coisa. O amor verdadeiro, palpável, forte, intenso. Mas em ordem distintas. Ele queria o fogo, e acreditava que depois poderia haver a tranqüilidade. Quando estivesse farto da paixão. Ela queria o amor sereno, manso. E na segurança dele descobrir toda a paixão que permanece com quem ama. Pelo medo de perder a paixão avassaladora que todos tinham, eu o vi perder o amor verdadeiro que nenhum daqueles jamais teve. A paixão viria, o adverti. Mas talvez ele quisesse a mesma ordem dos outros. Ele queria mais. Ela também. Por isso, ela partiu, com seu amor e a certeza de que alguém a acolherá. Ele ainda espera a tal paixão. Ele sozinho. Ela não mais.

15 comentários:

Desnuda disse...

Mariaaaaaaaaa??? Voce é maravilhosa, menina!!! Que textoooo! Meus aplausos. Aliás já venho ávida para te ler ( sempre venho só aqui e com tempo, sabia?)e com as mãozinhas te aplaudindo. Poderia te dizer tanto...Mas é tanto que tenho pra te dizer que com certeza me fugiria as palavras. Como acontece agora para deixar passar para a escrita o que sinto...

Abraço enorme e um terno beijo, querida.


*Acabei de chegar...Férias... Este vai e vem... Mas sempre visitando as amigas. E este cantinho é meu deleite. Muito especial para mim, acredite.

Qualquer Um disse...

Cara Maria,

Outro belo texto eu/ela. Lembra "Formato Minimo" (Skank), mas com um final feliz.
Um ab
Edu

fernando disse...

Gosteri do seu texto, remeteu-me á duas letras de canções: "Quereres", do Caetano e "Um e Outro", do Palinho Moska, pois ambas mostram esta relaçao do que um quer, não está no desejo do outro.

lyani disse...

Nossa que lindo!
Como você escreve bem, adoro ler suas palavras...
Desculpe o sumiço, voltei, ando correndo demais, mas logo chega minhas férias :)
bjos

Jamana disse...

Parabens....
pelo texto...
muito 10 mesmo....
bjx...
:)

Désir La Vie disse...

Adorei tudo, do iníco ao fim. Tudo perfeito.

Os desejos, os medos, as vontades, os anseios, as possibilidades e também as impossibilidades...

Bjocas, linda

Sidney Andrade disse...

Apesar de tudo, talvez esses dois sejam o casal perfeito, por não terem sido feitos um pro outro...
O amor é paradoxo mesmo...
E às vezes, nem é também.

Beijo, Maria... Maria...

Ruberto Palazo disse...

Apesar do final feliz para "Ela" eu senti uma certa tristeza ao ler suas linhas... o encontro de sentimentos e o desencontro de sentidos distancia os dois, isso não é triste? Afinal, será que paixão e amor tem ordem? No conceito geral a paixao sempre vem primeiro, mas será que o segredo do amor não é a serenidade com temperos de paixão avassaladora pelo resto da vida? Isso me fez pensar...

Beijos

Jamana disse...

Oie...
eu indiquei vc no meu blog pra participar de um desafio musical (meme)
as regras são as seguintes
Regras:

I. colocar uma foto individual sua;

II. escolher uma banda/artista;

III. responder às questões somente com títulos de canções da banda/artista escolhido;

IV. escolher 4 pessoas que respondam ao desafio, sem esquecer de avisá-los.

Passa lá no meu blog e da um olhadinha ...
bjx...
ate+++
:)

Esther disse...

É bem assim as relações, esse vai e vem,
somos responsáveis pelos nossos
fins de histórias,
adorei esse bem escrito texto!!

bjs!

Gabi disse...

Ele ainda espera a tal paixão. Ele sozinho. Ela não mais.


mexe demais cmg pensar que possa ser assim

the scientist disse...

Mariaaaaaaaa!
enquanto lia o texto torcia para que os dois ficassem juntos.
seria o final feliz, né?
sou adepto dos finais felizes... talvez eles fossem o casal perfeito mesmo.
espero que ele encontre "a tal paixão" e que ela encontre "esse outro alguém que a acolherá", apesar de isso me soar como se fosse um prêmio de consolação para os dois.
abraços!!!!!!!!!

robovelson disse...

são tantas palavras e a mistura de sentimentos parecem enganar-te..mas gostaria de entender melhor de que ou de quem se trata de verdade..tlv ninguem especifico mesmo..novamente vi alguns distemperos..mas boa sore e bjos..

Mário Sioli disse...

Gosto da maneira que escreve e estava sentindo falta de passar aqui.
Um feliz 2000 iNOVO pra ti
Beijos

Ruberto Palazo disse...

Tem selino para ti no meu blog...

Beijooooooooo!