30 de janeiro de 2009

Ama-me

"O que tem me mantido vivo hoje é a ilusão ou a esperança dessa coisa, 'esse lugar confuso', o amor um dia. E de repente, te proíbem disso. Eu tenho me sentido muito mal vendo minha capacidade de amar sendo destroçada, proibida, impedida". Caio Fernando Abreu

Aquele era o único pedido a que se dispunha: - Ama-me, ama-me, ama-me. Era um susurro lento, devagar, quase sôfrego. Mas era impiedoso, implorava, aceitava qualquer valor, desde que fosse cedido. Agarrava-se com tamanha avidez que parecia eterno. Mas era tão terno, tão doce. Nada prejudicava, embora mantivesse constante avassaladora força em pedir: -Ama-me, ama-me. O pedido não era obedecido, em nenhuma escala. O que se mantinha de troca era a promessa, embora não dita. Mas os olhos diziam alguma coisa, retratavam alguma esperança. Talvez não. O pedido era incessante, mas lívido. Não duraria a eternidade. Não a mesma que teria o amor - se aceito fosse. Mas não foi. Então a distância inevitável. Os passos ligeiros, e lacrimosos, e feridos de amor. Não o amor não correspondido. Mas o amor gigante que fazia doer o peito e não havia quem o quisesse para si (...)

"Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer".
Clarice Lispector

22 comentários:

Nanda disse...

`Eu tenho me sentido muito mal vendo minha capacidade de amar sendo destroçada, proibida, impedida.` sentidos meus na boca do outro. eu posso dizer, e mais, sentir tambem as partes de mim rasgadas em pedacinhos, impedidas todas elas de amar. como busco por um amor novinho em folha.. ao mesmo tempo em q busco por mim apenas, desejo o outro.

lindo lindo.

bj

fernando disse...

Está aí um tema extremamente complexo, acho que quem melhor traduziu esssa coisa dos desencontros do amor foi Caetano Veloso, na canção "Quereres": "Ah, bruta flor do querer.
Não que eu pregue o egoísmo hedonista, mas creio que para amar alguém é preciso se amar primeiramente, pois só então a soma de amores pode resultar uma boa relação.
Há muita gente que acredita que a felicidade está no outro e vive procurando este outro para ser feliz, enquanto a vida passa.

Gabi disse...

e o não fazer nada gera ótimos resultados.

bjocas

Gabi disse...

ps.: www.pirofagia.wordpress.com

.duas doses de desdém - Gui disse...

A parte alí da Clarice eu já conhecia, lindo verdadeiro né, flor!

Obrigada pelo carinho de sempre :)

Grande beijo, aproveite bem seu final de semana :D

Sedokao Morutaru disse...

Estranho, quanto mais desprezamos, mais a quem o ame, quanto mais queremos o bem, é onde somos desprezados


vai entender (?)!

Sedokao Morutaru disse...

Prazer Maria. :) Meu é Larissa !

Lá Cociuffo disse...

E agora, Maria, que estou me acostumando com o seus escólios na minha Ciranda?

Ah, Caio...Se soubesses o bem nos faz continuaria a escrever mesmo longe, tenho certeza.

Tenho me sentido censurada até o ultimo fio de cabelo. Não, isso que chamam por aí não é amor. As pessoas estão desaprendendo a amar e mal sabem o que isso lhes causa, mas que somos nós para ensinar como é o querer bem, como é o carinho, como é o abraço apenas pelo abraço? Encontro-me sem esperança para esses corações, já tão devastados, por essa modernidade que vem engolido todos os significados.

“Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido”

Que continuemos assim...Sendo surpreendidos.

Rodrigo Hipólito disse...

Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição.


- Isso é verdade, o amor não é uma coisa que podemos comprar em uma lojinha qualquer, mais sim um sentimento que nasce!

- Muito show esse texteo, parabens Maria! :)

Princesa disse...

Sorte dos que se cruzaram com o amor verdadeiro...

Um fds cheio de amor para todos!!!

Sidney Andrade disse...

Ah, Maria
Me senti muito querido com teu último comentário. Tomara que eu tenha sempre boas companhias como esta tua do meu lado enquanto espero. Que esperar leva tempo, e as companhias disfarçam o seu passar.

Quanto ao amor, é preciso ser-se teimoso (e,por vezes, ainda cínico) para com as peças que el nos prega.

Beijo.

Karla disse...

Tava navegando um pouco e caí no seu blog. Mto espirituoso o nome. Boas escolhas de textos. Vejo que temos um gosto literário muito parecido. Gostei dos seus tb. Bjs!

lyani disse...

Ah, tem selinho no meu blog pra vc!
Bjos,
Ly

.moony. disse...

lindos textos... lindos mesmo.
o amor é a coisa mais complicada que existe xD ultimamente, ao mesmo tempo que percebi que ele pode ser uma libertação, pode ser uma agonia imensa.
bju
teh +
o/*
.moony.

Anônimo disse...

"Ame como a chuva fina que cai silenciosa, mas que faz transbordar rios"


Ah...seu amor...


Beijo


*Elda*

Paulo disse...

Olá, Maria

O amor... Sentimento inexplicável.
Norteado pelo acaso, não pela esperança,
pela promessa, submissão, desejo...
Às vezes precisamos subir um degrau!

Abço

Désir La Vie disse...

Maria, Maria

Que coisa absurda!
Há pouco postei uma passagem de CLispector em meu blog...

Agora resolvo passar aqui pelo seu e me deparo com essa passagem bombástica. Um tapa na cara para o momento em que me encontro...

Peço licença, mas vou surrupiar essa citação de CLispector. Preciso!

Os créditos ficarão lá no meu blog.


Bjitos, bjitos

Esterança disse...

Olá Menininha!!

Saudades de vc viu?!

Passando para deixar um abraço e um pensamento:


" Antes de encontrar o caminho da página, uma palavra tem primeiro de fazer parte do corpo, tem de ser uma presença física com quem se vive tal e qual como se vive com o coração..." (Paul Auster)

Boa semana!

Desnuda disse...

Perfeito, Maria! Caio Fernando, um fotógrafo da realidade posto em versos e Clarice! Ah, Clarice!!!


Um beijo com puro amor para você, querida!

Ruberto Palazo disse...

Falta-lhe capacidade para amar? Então imploras e incorrespondida foges? Ou senta e espera, o mesmo que fazer nada......certo? Triste... pq o amor não deve ser feito de incapacidades, implorações ou desistencias. O amor merece ser declarado, independente se será ou não correspondido. Dizer "amo-te" e não receber algo em troca é tão ruim que nos faz desistir? Amor não tem desistencias, amor não necessita de obrigados... ele é livro para ser dito, ouvido... livre para voar, do peito para boca, da boca para o ar, do ar para a sua boca...

Beijos

Jamana disse...

Olá!!!!
migaaaaa....
pode deixar.....
obrigada por lembrar de mim....
Nossa!!!!
esse post e profundo....
vc e uma excelente blogueira....
beijos...
=*

Anônimo disse...

ler todo o blog, muito bom