30 de dezembro de 2008

Baseado em fatos reais

Ele: E o seu coração?

Ela: Desafio está lançado: quem consegue interessar o meu coração?! Façam seus lances. Ele está livre e leve.

Ela, ponderando a verdade: Isso não me importa, nem inquieta. Penso que talvez devesse inquietar-me, visto que o mundo move-se por esta procura.

Ele: Vai ver é que pelo fato de você já ter nascido toda amor, não se inquiete. E a gente, que vem chegando nele se afoba e quer sair espalhando pra tudo quanto é lado!

Mas foi assim: as coisas se conformaram na consciência dele que teve uma epifania! Ele também era todo amor!

E dois amores enxergaram-se, abraçaram-se, compreenderam-se – fatos comuns ao amor. Por fim, embriagados dessa completude, despediram-se: ‘Vai, espalha teu amor, eu espalho o meu’. Juntos descobriram-se. E juntos sabiam que deveriam deixar-se livres. E assim foi!

P.S: Um tributo à delicadeza e afabilidade que me trouxe.

Um agradecimento pela sua vida.

Pelos segredos e planos, minha admiração e lealdade.

Sua vida é um presente à minha.