22 de outubro de 2008

Liga a luz

Alguém, por favor, avisa que a brincadeira acabou. Já podem ligar a luz.


Tem horas que estar perdida perde o frescor e não é mais engraçado. Fingir que só depende da nossa própria vontade é ilusão. Posso amenizar ao dar valor ao que importa, mas não é possível fingir uma utopia. A realidade está lá, frígida, sem pressa - talvez - porque sabe que você perderá o passo nela. E eu que não tinha mais medo do escuro, entendi que o problema não era ele.


Estou tão assustada que só poderei aceitar que me perdi se imaginar que alguém me está dando a mão.Dar a mão a alguém sempre foi o que esperei da alegria. C.L.

3 comentários:

Sidney Andrade disse...

Hey, Maria.
Uma dúvida minha irrelevante, porém divertida: tu és Maria o quê? Porque raramente uma Maria é apenas Maria, é sempre Maria Alguma Outra Coisa...
Ou és só Maria mesmo? (o que viria a ser muitissimo interessante...)

Com o perdão da invasão à privacidade,
Beijo.

Desnuda disse...

Maria...Tens as mãos Divina sempre. Mesmo quando se não a vê. Ela está lá... Estendida.

Por vezes, acontece de nos sentirmos assim. Vêm a culpa...E agora, Maria? Há dias de sol e chuva. Precisamos de ambos, disse-me uma amiga.

Quando estamos no escuro, vemos a nossa sombra refletida nas paredes. Elas tem mãos: as tuas. Então, você lembrar-se-á que poderá acender a luz.


Um beijo com as minhas mãos estendidas.

Patricia C. disse...

quem dera a gente só dependesse da nossa vontade. não sei fingir, mas tem uma pá de gente que consegue. vai saber.

clarice lispector?

p.s: me fiz a mesma pergunta que o sidney. acho maria um nome tão bonito, e geralmente vem acompanhado de um outro nome, o que torna mais bonito ainda.